sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Panorama Político (Ilimar Franco)

Fermentando              

          A aliança entre o PT e o PMDB caminha por trilhas perigosas. O maior parceiro do governo Dilma se sente atropelado nos estados. Um de seus dirigentes diz que é hora de saber: “A prioridade do PT é a reeleição da presidente Dilma ou as sucessões estaduais?”. Outros dizem o mesmo. O temor é que os desacertos deixem os governistas em minoria na hora de decidir a continuidade do apoio.

A chave: resolver os estados
A cúpula do PMDB não está preocupada com as divergências com o PT nas eleições do Rio Grande Sul e da Bahia. Mas com o desacordo no Rio, no Ceará e no Maranhão. Se o PT abandonar os governadores Sérgio Cabral PMDB-RJ) e Roseana Sarney (PMDB-MA), ou se optar pelo governador Cid Gomes (PROS-CE), em detrimento do líder no Senado, Eunício Oliveira, o apelo da oposição interna vai crescer. A esta tensão se soma o ressentimento com o tratamento no governo Dilma. Um deles explica: “No governo Lula nosso poder era real. Não tínhamos o vice. Hoje temos o vice, temos ministros, mas não temos os ministérios”.

Isso não tem mais valor do que horóscopo. Agora, horóscopo está sempre errado? Não! De vez em quando vejo o horóscopo, cruzo e tá tudo certo

José Serra
Ex-governador, sobre tucanos que duvidam da longevidade da aliança Eduardo Campos/Marina Silva

Sem chance
A Comissão Especial da Reforma Política da Câmara aprovou a divisão em distritos de São Paulo, Rio e Minas. O líder de um grande partido garante que a maioria dos deputados não vai limitar seu espaço de disputa do voto do eleitor.


Aviso prévio
A propósito do anúncio do PT que vai deixar a gestão Sérgio Cabral em 25 de novembro, o PMDB curte: “O PT é o primeiro partido que dá aviso prévio para postergar a boquinha”. O partido definiu no Rio que no dia em que o PT sair do governo Cabral, o prefeito Eduardo Paes vai demitir os petistas, inclusive seu vice, Adilson Pires, secretário de Ação Social.

Eduardo pode crescer no Sul
O candidato do PSB, Eduardo Campos, só não terá mais apoio por causa dos ruralistas. No fim de semana, no Rio Grande do Sul, o PMDB se reuniu e praticamente ficou definido que ele vai marchar com o candidato socialista ao Planalto.

A nova CPMF vem aí?
A Comissão Especial da Câmara sobre a Saúde debate a CSS (Contribuição Social para a Saúde). O proposta é do deputado Rogério Carvalho (PT-SE). A alíquota da sucessora da CPMF seria de 0,1% das transações bancárias, à exceção da poupança. Antes da presidente Dilma assumir, o ex-presidente Lula defendeu a sua criação. A CPMF começou em 0,25% e terminou em 0,38%.

A hora do espanto
Na noite de quarta-feira, quando foi aprovado o Mais Médicos, no Senado, Eduardo Suplicy (PT-SP) fez um discurso de apenas 1min30seg. E Jáder Barbalho (PMDB-PA), depois de muitos anos, subiu à tribuna e fez um pronunciamento.

Rir é o melhor remédio
A instabilidade econômica corre solta no mundo. Mas ontem, em Brasília, quando perguntado sobre o câmbio, o ministro Guido Mantega (Fazenda) saiu-se com a gracinha: “Há dois tipos de câmbio, o manual e o automático...” .
REFORMA MINISTERIAL. Fala o vice Michel Temer: “Se houver a destinação da Integração para o PMDB, o meu candidato é o senador Vital do Rego".

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial