sexta-feira, 30 de maio de 2014

PANORAMA POLÍTICO (30) - O GLOBO - ILIMAR FRANCO

O governo vai levando
          O PR caminha para apoiar a reeleição da presidente Dilma. Candidato a governador, o deputado Garotinho avisa: “O Rio não vai acompanhar a decisão nacional”. Só São Paulo poderia mudar este rumo. Mas, lá, o partido está próximo ao PMDB. Os que não querem dar o 1’56 de TV para a presidente lamentam a divisão dos seus entre o tucano Aécio Neves e o socialista Eduardo Campos.

O ilusionismo e os fatos
Os eleitores devem desconfiar de candidatos a presidente que têm por hábito excomungar os partidos políticos. Ocorre que todos vão precisar deles para governar. O cientista político Paulo Kramer adverte: "Todos são execrados. Mas não tem jeito. É com esse barro que o presidente eleito vai governar". Os resultados das eleições no Brasil revelam que é lenta a mudança da correlação de forças no Congresso. A radiografia revela a presença do PMDB no apoio a todos os presidentes eleitos, desde 1994. Kramer sentencia: "No parlamentarismo a maioria produz o governo; no presidencialismo o governo produz a maioria"


Sempre haverá partidos à disposição das necessidades de um presidente. Quem não está na base (do governo), quer entrar
Paulo Kramer
Cientista político


Barganha
Mesmo pautada pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB), contra a vontade do Planalto,
a PEC da Magistratura não deve ser votada. É uma reação contra a decisão do TSE que alterou a composição estadual da Câmara.

Conveniente
O enredo da conversa entre o presidente do PSD, Gilberto Kassab, com Henrique Meirelles talvez nunca seja conhecido. Mas o fato é que com a desistência de Meirelles, de disputar o Senado, foi aberta a porta para que Kassab seja o vice do governador Geraldo Alckmin (PSDB). Os tucanos tinham avisado que a vice e o Senado não dava.


O próximo passo
Os tucanos devem oferecer para o presidente estadual do PSB, deputado Márcio França, a candidatura ao Senado (SP). Esses candidatos têm tempo autônomo na TV, mas a lei impede seu uso para pedir votos para Eduardo Campos.


Todo poder ao STF
A declaração de independência do ministro do TCU, José Jorge, pode acabar no STF. A crença no Congresso é de que ele não irá à CPI da Petrobras nem se for convocado. Os ministros do órgão auxiliar do Legislativo se consideram magistrados e, por isso, intocáveis. Os partidos do governo estão decididos a ir para cima e recorrer à Justiça.


Sentindo a diferença
Os petistas constataram, em suas próprias pesquisas, que tudo mudou depois que Luiz Fernando Pezão (PMDB) assumiu o governo do Rio. A visibilidade, nestes primeiros dias, fizeram com que ele dobrasse suas intenções de voto.

Olhos fechados
Os candidatos à Presidência, aos governos, ao Senado, à Câmara e às Assembleias começaram a contratar suas equipes de campanha. A lei não permite que se faça isso agora. Enquanto isso, a Justiça Eleitoral assiste a tudo passivamente.


A direção nacional do PSD está sendo exortada a intervir em Alagoas. O partido está com o senador Benedito de Lira (PP). Mas o PMDB o quer.

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial