sexta-feira, 11 de julho de 2014

PANORAMA POLÍTICO - O GLOBO (11) - ILIMAR FRANCO

          O ministro Guido Mantega (Fazenda) está segurando a votação na Câmara de projeto que institui a Lei de Responsabilidade Fiscal do Esporte. Ela parcela o pagamento de R$ 3,3 bilhões de dívidas dos clubes, com IR, INSS, FGTS e BC. Desde maio, Mantega resiste em fazer um Refis para o futebol. O presidente da Câmara, Henrique Alves, pressiona pela votação, mas, ainda assim, espera o sinal verde da Fazenda.

Um Brasileirão sem caloteiros
O governo tem receio de chancelar a LRF do Esporte porque não quer sair desmoralizado. Explica que o Timemania foi criado para que os clubes pagassem suas dívidas, mas que só alguns usaram a sua parcela para isso. Relatam que Mantega e o ministro Ricardo Berzoini já fizeram várias reuniões com os clubes e parlamentares. “O Mantega não é contra, ele quer garantias contra um novo calote”, explica um assessor da presidente Dilma. O relator do projeto, deputado Otávio Leite (PSDB), diz que esta garantia existe. “Não é anistia, o parcelamento será corrigido pela TJLP, e os clubes terão que manter os pagamentos em dia para disputar campeonatos”, esclarece

O campeão da Copa de 2014 será a Alemanha. Ela é muito superior à Argentina. Os argentinos não vão resistir

Jérôme Valcke
Secretário-executivo da Fifa, anteontem em São Paulo, após a partida semifinal entre Argentina e Holanda, quando deixava a ala VIP do estádio Itaquerão

O contra-ataque
A proposta para salvar os clubes da falência cria regra que impede a antecipação de receitas além do mandato de uma diretoria. O futuro dos clubes é comprometido mediante o adiantamento das receitas com a transmissão dos jogos pela TV.

Fala o dono da bola
Relator da proposta para sanear as finanças dos clubes, o tucano Otávio Leite faz questão de ressaltar que ele só ocupou essa posição devido a articulação do ministro Aldo Rebelo (Esportes). “Vários queriam, inclusive do PT, mas o Aldo queria que se desse um tratamento suprapartidário para atenuar o ambiente governo x oposição”, conta.

Jogando no ataque
Passado o vexame do Brasil, o Bom Senso Futebol Clube foi recebido ontem pela assessoria da Casa Civil. Os diretores Enrico Ambrogini e Ricardo Martins pediram apoio para democratizar a CBF e aprovar a Lei de Responsabilidade no Esporte.

Determinismo, Copa e eleição
Pode ser que o resultado da Copa influa nas eleições. Mas a história do país não sugere essa vinculação. O Brasil ganhou em 1994 e o governo elegeu FH. O Brasil perdeu em 1998 e FH se reelegeu. Em 2002, o Brasil foi campeão e FH não elegeu Serra. O Brasil perdeu em 2006 e Lula foi reeleito. O Brasil voltou a perder em 2010 e Lula elegeu a sua sucessora: Dilma.

Fazendo figuração
Sobre a presença de ministros no comando da candidatura da presidente Dilma, um ministro do Planalto contou: “Para entrar na campanha tem que sair do governo. Não dá tempo para exercer a gestão e assumir a operação eleitoral”.

Com dinheiro público
Uma secretária de Gim Argelo (PTB-DF) está ligando, do telefone do Senado, informando o número de candidato. 0 senador nega e diz que sua funcionária só fez isso para uma pessoa que ligou para saber se ele concorreria à reeleição.

Avaliação do governo: Se o Congresso votar as medidas provisórias é bom, mas se não votar mais nada até as eleições não é o fim do mundo.

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial