terça-feira, 15 de julho de 2014

PANORAMA POLÍTICO - O GLOBO (15) - ILIMAR FRANCO

          Os candidatos para o parlamento estão em pânico. São escassos os recursos para dar a largada nas campanhas. A maioria das empresas está segurando as doações. Elas temem que o STF torne ilegal contribuições de pessoas jurídicas. O julgamento está 6 x 1 pela proibição. Faltam quatro ministro votar. A decisão só não foi adotada ainda porque o ministro Gilmar Mendes segurou o processo.

O STF ocupa o lugar do Congresso
A reforma política é uma necessidade e todos os partidos defendem realizá-la. Desde a eleição de Fernando Collor, em 1989, o governo depende de alianças para ter maioria. O mesmo ocorre com a reforma. Nada anda porque nenhuma proposta tem maioria para ser aprovada na Câmara. Neste vácuo, os ministros do STF, que não são eleitos pelo voto, adotaram o atalho de reinterpretar a lei e a Constituição. Aprovada a proibição pelo Supremo, não restará aos partidos outra proposta que não seja o financiamento público, proposta que é defendida pelo partido do governo, o PT. Em 2010, 71,7% das doações foram feitas por empresas. No caso do PT, 83%; e, do PSDB, 68%.

A campanha é irracional. Em 80 dias vou visitar 120 municípios. Temos que adotar o voto distrital ou a lista fechada. O pior dos mundos é o modelo atual

Marcus Pestana
Deputado federal e presidente do PSDB de Minas

Ocupando espaço
Os tucanos criticam a tentativa do governo Dilma de se apropriar eleitoralmente da Copa. Na Esplanada, o que incomoda é a atuação do ministro Aloizio Mercadante (Casa Civil) para assumir o protagonismo da ação do Executivo.


O que fazer?
Irritação grande no PT do Rio e do candidato ao governo Linbergh Farias. Surpresa com as desconcertantes declarações do candidato ao Senado da chapa, Romário. O aliado defende que o PT tem que deixar o poder. O mal estar tomou conta do partido. Os dirigentes regionais do PT, aguardam o presidente Rui Falcão, para reagir.

Meia sola
Os petistas se deram mal no Espírito Santo. Eles desistiram do governador Renato Casagrande (PSB) e foram abandonados por Paulo Hartung (PMDB). O ponto de apoio da presidente Dilma será o candidato ao Senado, João Coser (PT).

Nos bastidores
Sobre eventuais divergências entre João Santana e Franklin Martins, um ministro comentou: “ Eles têm gênios fortes e, às vezes, veem as coisas de forma diferente. Mas é a presidente quem decide”. Depois ele ironiza dizendo que se eles pensassem igual, não seria preciso contratar os dois, Seria mais barato ficar apenas com um deles.

Improviso
O senador Vital de Rêgo (PMDB), candidato a governador (PB), está no escuro. Todas as pesquisas para enfrentar o governador Ricardo Coutinho (PSB), foram feitas com seu irmão, Veneziano. Vital virou candidato na reta final.



Tocando flauta
O ministro Guido Mantega (Fazenda) , assistiu o jogo do Brasil, no último sábado, no camarote da Fifa. Sua expressão foi de perplexidade com a derrota. Por isso, um holandês, que também estava lá, se aproximou e pediu desculpas.

Esvaziado. O Congresso não deve votar hoje. A presidente Dilma convidou alguns líderes para almoçar hoje, com os Brics, em Fortaleza (CE).

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial