sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Panorama Político (06) A política como ela é: nua e crua - ILIMAR FRANCO

6.2.2015 9h37m
          O governo Dilma não é contra a aprovação do Orçamento Impositivo, bandeira do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB). Para o governo, esse debate está ultrapassado. “A bancada do PT e a base votaram a favor”, lembra o ministro Pepe Vargas. E acrescenta: “Eduardo Cunha, ao votar em 2º turno, atende à vontade da maioria ’’. No 1º turno, a proposta teve 384 votos a favor e apenas seis contrários.
Acossados
A oposição faz alaúza com as novas revelações da Lava-Jato, e os petistas estão apopléticos. O PT está de mãos atadas e espera o desfecho para ver o que fazer. Mas essa não é a única dor de cabeça. Eles estão inseguros diante da MP que altera as regras do seguro-desemprego, do abono salarial e da pensão. Os senadores pediram ao ministro Aloizio Mercadante (Casa Civil), em reunião na casa do senador Jorge Viana, para tratarem do tema diretamente com os ministros Carlos Gabas, Joaquim Levy e Nelson Barbosa. Eles querem propor mudanças no projeto. Estavam lá o líder Humberto Costa, Gleisi Hoffmann, Delcídio do Amaral, José Pimentel, Fátima Bezerra e outros.
Ao sucumbir à estratégia do mercado, a atual direção da Petrobras/Governo tem minado a reconstrução da empresa. O que se vê é a implementação da gestão da destruição

Federação Única dos Petroleiros
Entidade filiada à CUT, que representa os trabalhadores da Petrobras e é tratada no governo como “viúva do monopólio“
O aceno foi positivo
O PSDB e o DEM querem manter o enfrentamento contra os governistas. Já o senador Bezerra Coelho (PSB) quer compor. Ontem, esteve com Humberto Costa (PT) e Eunício Oliveira (PMDB) para garantir a presidência de uma comissão.

Fazendo a corte
O Instituto Lula estampou no seu site, ontem, foto em que, sorridentes, apertavam as mãos o ex-presidente e o governador Paulo Câmara (PE). Eles almoçaram e trataram do futuro político do país. Depois de terem se enfrentado nas eleições, Câmara convidou Lula a visitar o estado. Socialistas avaliam que a reunião deu início à distensão entre o PSB e os petistas.
Pintando o cenário
Um dos presentes na reunião da presidente Dilma com o vice Michel Temer e ministros com os presidentes Renan Calheiros (Senado) e Eduardo Cunha (Câmara) resumiu: “Distensionou de leve”, “apenas uma aproximação” e “clima médio”.
A regra do jogo
Na conversa institucional de ontem no Planalto, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), falou da instalação da CPI da Petrobras. Explicou à presidente Dilma que seguiu o regimento da Casa e, por isso, não poderia agir diferente.
O nome é racionalizar
Está em debate nos organismos do governo, que tratam de energia elétrica, a adoção de um Plano de Uso Racional da Iluminação de Prédios Públicos Federais. O tema é tratado com discrição para tentar evitar que a oposição deite e role.
A costura do acordo
Os deputados Lúcio Vieira Lima (BA) e Jorge Picciani (RJ) serão os líderes do PMDB nos próximos dois anos. O revezamento foi proposto pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (RJ). Só falta decidir quem será o líder neste ano.
O deputado Miro Teixeira (PROS-RJ) foi ao vice Michel Temer. Ele fechou com a tese do distritão, onde não há voto de legenda e são eleitos os mais votados.

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial